WiFi para gestão centralizada: case LSCT

O Terminal de Contêineres La Spezia (LSCT), na Itália, é uma das principais instalações portuárias da Europa. Durante anos, os gestores de lá têm trabalhado para aumentar a produtividade e reduzir o tempo de inatividade. E para isso, precisavam de um WiFi para gestão centralizada. 

O Terminal Operating System, também conhecido por TOS, já permitia, inclusive, que o terminal fosse coordenado de maneira centralizada: tanto o manuseio quanto o armazenamento de contêineres. Mas para que o TOS funcione adequadamente, é necessária uma sólida rede sem fio para que todos os equipamentos de pátio e cais possam trocar dados em tempo real. Em outras palavras, era necessário uma alta conectividade e baixa latência, que só uma solução com características de fibra poderia ofertar. 

Entretanto, a fibra não era uma opção, já que não estava disponível para nenhum dos equipamentos. Assim, a rede sem fio se tornava indispensável para o terminal. 

A problemática: baixa cobertura de WiFi? 

Mas o problema da conectividade não seria resolvido apenas com uma solução de WiFi para gestão centralizada. O layout do terminal não favorece a propagação sem fio devido à alta densidade de pilhas, contêineres sendo empilhados em 5 alturas, cargas de estruturas metálicas e altas interferências vindas de navios, radares e da cidade vizinha de La Spezia.  

Nesse sentido, ainda que o sistema WiFi no terminal estivesse estável, a cobertura era um problema: diariamente haviam minutos de inatividade do equipamento. Isso afetava os motoristas e operadores de guindaste, que eram forçados a encontrar áreas de boa cobertura para fazer o próximo pedido, atrasando a operação e gerando perda de eficiência. 

A solução era mesmo uma rede sem fio. Mas qual WiFi?  

Após uma análise cuidadosa das soluções sem fio disponíveis, incluindo LTE e WiFi, a gestão do terminal decidiu atualizar sua rede OT sem fio adicionando a tecnologia Fluidmesh MPLS. Ou seja, não era preciso trocar todos os pontos do terminal, mas utilizar a rede Fluidmesh em paralelo com o sistema WiFi existente.  

Através a tecnologia Fluidmesh MIMO Antenna, foi possível resolver seus problemas de cobertura sem fio, bem como reduzir drasticamente o número de rádios de acesso necessários para cobertura. Além disso, as vinte estações base Fluidmesh usarão o algoritmo de aprendizado de máquina Fluidmesh para otimizar o acesso ao canal e à conectividade do veículo. Isso torna o Terminal de Contêineres La Spezia o primeiro no mundo a adotar Inteligência Artificial para aumentar o desempenho de sua rede OT sem fio. 

Graças à tecnologia Fluidmesh, foi possível melhorar a rede sem fio sem a necessidade de passar por uma substituição completa da rede. Assim, foi possível resolver totalmente os problemas de cobertura e tempo de inatividade da rede que o terminal estava experimentando. 

“Ficamos extremamente impressionados com os benefícios da adição da tecnologia Fluidmesh MPLS em nosso terminal. Nossos operadores finalmente poderão se concentrar em seu trabalho sem ter que se preocupar com conectividade sem fio e TOS – comenta Stefano Lorenzini, Departamento Técnico do Terminal de Contêineres de La Spezia. 

Assim como a gestão do terminal foi beneficiada, a sua também pode ser. Acesse agora esse link e descubra em quais as áreas a solução Fluidmesh pode atuar. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *